Beata Bárbara Maix

Chegou ao Brasil com suas companheiras para servir aos mais pobres e assim se imolou, fazendo-se tudo para todos e deixando o mais belo exemplo de perdão, como Cristo na cruz!...


Cadastre-se e receba nosso informativo:
E-mail: Cadastrar | Remover
Canais
Principal
COMECE AQUI !
Patrocinadores
Fale Conosco
Santos
ELENCO GERAL
Beato Inácio e Com.
São Roque e Com.
São José de Anchieta
Santa Paulina
Santo Antônio Galvão
Beatos Mártires RN
Beato Eustáquio
Beato Mariano
Beata Albertina
Beatos Manuel e Adílio
Beata Lindalva
Beata Bárbara Maix
Beata Dulce
Beata Nhá Chica
Beata Assunta Marchetti
Beato Pe. Victor
Ven. Teodora Voiron
Ven. Antonieta Farani
Ven. Rodolfo Komorek
Ven. Attilio Giordani
Ven. Ir. Serafina
Ven. Me. Ma. Teresa
Ven. Dom Viçoso
Ven. Marcello Candia
Ven. Pelágio Sauter
Ven. Pe. João Schiavo
Ven. José Marchetti
Ven. Daniel de Samarate
Outras Biografias
Temas
Papa Bento XVI
Santos do Brasil
Processos de Canonização
Beatificação e Canonização
Comunhão dos Santos
 
E-mail:
Senha:
 
» Santos do Brasil » Daniel de Samarate
 

- Venerável Daniel de Samarate

Venerável Frei Daniel de Samarate

(٭15/06/1876 - 19/05/1924)

 

sacerdote e religioso capuchinho

 

Felice Rossini nasceu em 15 de junho de 1876, em Samarate, Milão, norte da Itália, filho de Pasquale Rossini e Giovanna Paccioretti, camponeses. Com 14 anos de idade entra como aspirante no convento dos Frades Capuchinhos, e passa a se chamar: Frei Daniel de Samarate. Em julho de 1896 emite seus votos e transferiu-se para Milão, para iniciar os estudos teológicos. Pediu para ser enviado para a nova Missão capuchinha nas matas do Norte e Nordeste do Brasil, pois os dois primeiros missionários capuchinhos morreram, em poucos meses, de febre amarela, e era preciso substituí-los! Nada espanta o ardor desses jovens pelo Evangelho[1]...No dia 08 de agosto de 1898, parte para o Brasil na companhia de outros frades. Chega a Canindé, CE, para o estudos de teologia. Dia 19 de março de 1899, dia de São José, é ordenado sacerdote.

É transferido para a Colônia Agrícola de Santo Antônio do Prata, no Pará, como Diretor dos meninos indígenas que habitavam naquele Colégio. São treze anos ininterruptos de apostolado e grandes realizações sociais. Sentia-se o pai de todos aqueles colonos e índios.

Era também pároco desobrigante da paróquia de N.S. da Conceição de Santarém-Novo, distante 100 Km do Prata. Assistiu e construiu a nova igreja de Cocal, à margem do rio Maracanã. Dedicou-se às extenuantes viagens de desobrigante, com suas  pregações e confissões até altas horas da noite, e febres maláricas! O raio da Paróquia extendia-se até 170 Km, abrangendo numerosos e distantes povoados de penosa penetração, quase isolados um dos outros.

Em março de 1901 abate-se sobre toda a missão a notícia do Massacre de Alto Alegre (B.67).  Frei Carlos de S. Martino Olearo, fundador e superior da Missão, perde irremediavelmente a memória e a capacidade de ação, de modo que toda a administração da Colônia Agrícola de Santo Antônio do Prata recai improvisamente sobre Frei Daniel, então com 25 anos de idade. Devia realizar inúmeras viagens de ida e volta para a capital Belém, a fim de obter recursos governamentais indispensáveis para a manutenção da Colônia. Será durante esses anos, de 1900 a 1913, de trabalho incessante no apostolado e no empenho social, que  Frei Daniel se contagiará pela lepra.

Consegue realizar em favor dos índios e dos colonos obras de eficiência e de ampla projeção. Obtém financiamentos e subvenções tais que lhe permitem instalar no meio da floresta a linha de ferro, de 17 km, com pontes e aterros, o telefone e duas Igrejas estupendas: a de Santo Antônio e a de Santo Isidoro. Sente dores que pensa ser reumatismo, mas os médicos desconfiam que poderia ser a lepra.

Intervém Frei João Pedro de Sexto (C.42), superior da missão capuchinha, e o manda de volta à Europa, substituindo-o temporariamente na direção da colônia. Frei Daniel vai a Lourdes, pedir a cura à Virgem Santíssima. Parte dois dias depois, transformado, encorajado, abraçando a cruz que o Senhor lhe dava. Nossa Senhora teria lhe dito que não seria curado, mas que voltasse, e receberia outra graça...Frei Daniel contará muitas vezes essa história, esse encontro marcante.

Em Roma o dermatologista confirma a doença.

Volta ao Brasil e os Superiores o transferem para São Luís no Maranhão. Em meio ao trabalho incessante ele sofre um incidente: um tremendo coice de um cavalo recebido em pleno rosto, faz com que os médicos descubram o seu estado de leproso. Não pode mais ficar em São Luís, pois as leis de então eram muito severas com os leprosos declarados. É obrigado a deixar o convento para sempre. Frei Daniel chora convulsivamente.

Entra para o leprosário em 27 de abril de 1914. A crise espantosa passou: ele agora está pronto para o seu Getsêmani. Mas os hansenianos tratavam-no com indiferença e desconfiança, pareciam não querer sua presença... Recusam-no, chegam a escrever na sua casinha: “Vai-te embora!”. Aos poucos Frei Daniel se torna o protetor ao qual todos, ou quase, recorrem; transforma-se aos poucos, sob a ação do Espírito, num santo mártir que se esquece completamente de si para servir melhor a causa de Cristo naquele lugar tão tétrico. Torna-se realmente o capelão do leprosário, o apoio moral e espiritual daquela gente. Aos poucos o lugar se transforma, graças aos serviços espirituais e materiais proporcionados por Frei Daniel.

Na casa de Frei Daniel, no Tucunduba, havia Maria da Penha, classe 1890, jovem cearense, alta, órfã desde a tenra idade, crescida no prata entre as Irmãs e os Frades, generosa, devota, orante, apegada a Deus: um anjo, justamente. Com 24 anos aceita sepultar-se no Tucunduba; é ela mesma que se oferece voluntária às Irmãs e aos Frades; é ela que parte do Prata alguns dias antes de Frei Daniel entrar e, quando desponta o dia 27 de abril de 1914, "O Retiro São Francisco " está limpo, risolho, bem arrumado! Para evitar as más línguas, esse anjo protetor enviado por Deus resolve se casar com um hanseniano; Frei Daniel é contra, sofre imensamente, mas ela põe fim às calúnias e continua a servir, amar com intenso enlevo, tornando-se mãe feliz de quatro meninos completamente sadios. Nenhum deles jamais adoecerá de lepra! Acompanhou Frei Daniel no seu calvário, com veneração e heroísmo extremo. Maria da Penha faleceu muitos anos depois de Frei Daniel, em 1950.

Aos poucos a doença progride e Frei Daniel vai ficando coberto de chagas; está afetado pela lepra tuberculosa, a pior que existe, que reduz o doente a um farrapo humano, sofrimento infernal. Mas, com seu coração sempre agradecido a Deus, dizia que a lepra que Deus lhe tinha dado era para ele graça comparável àquela da ordenação sacerdotal.

Todo consumido e desfigurado, antes de morrer oferece-se a Deus, pede perdão a todos e promete acompanhá-los sempre com suas orações. Era o dia 19 de maio de 1924. Sua alma voa aos céus.

Testemunhas oculares contam curiosos fenômenos que se sucederam por ocasião de sua morte santa. Em torno do seu rosto corroído havia se formado como uma espécie de nuvenzinha azul que parecia respirar com ele e que se dissolveu pouco depois do último respiro. No momento da morte uma revoada de aves levantou vôo; as aves foram e voltaram repetidas vezes. E os moradores do leprosário afirmavam, mesmo muitos anos depois, que todas as noites pequenas chamas saíam da casinha de frei Daniel e da capelinha onde ele celebrava missa. Saíam e vagueavam longamente por sobre eles, que não se cansavam de observa-las e diziam: “É Frei Daniel que volta: também esta noite vem nos visitar!”[2]

 

 

 

 

 

Oração à Santíssima Trindade pela intercessão de Frei Daniel

PAI, “Senhor do céu e da terra”, que escolhestes Frei Daniel de Samarate para doa-lo aos pobres e aos Irmãos Hansenianos do mundo inteiro, concedei-me por sua intercessão a graça que vos peço...

Glória

CRISTO JESUS, Filho unigênito do Pai e Redentor nosso, que escolhestes Frei Daniel de Samarate para doar-lhe um coração abrasado, capaz de servir e de “amar até o fim os seus” Irmãos na dor, aqueles Irmãos nos quais tão intimamente Vos identificastes, concedei-me por sua intercessão a graça que vos peço...

Glória

ESPÍRITO SANTO, dom divino do Pai e do Filho, que escolhestes Frei Daniel de Samarate para anunciar a “Boa nova” aos Pobres e aos Marginalizados, em favor sobretudo dos Irmãos Hansenianos, concedei-me por sua intercessão a graça que vos peço...

Glória.

 

Dies natalis: 19 de maio.

Restos Mortais: parte de sua reduzida ossada está guardada na igreja dos capuchinhos em Belém, e parte na igreja do Sagrado Coração em Milão, Itália (Viale Piave, 2).

Causa de canonização: sediada na Arquidiocese de Belém do Pará, PA. Ator: Província Capuchinha do MA-PA-AP e da Lombardia (Itália).

Processo informativo diocesano iniciado em 29/dez/1991 e encerrado em 30/agos/1997; processo rogatorial na Arquidiocese de Milão, Itália, encerrado em Samarate, em 19/mar/1997. Decreto de validade no início de 1998; Positio redigida pelo colaborador frei Cláudio Todeschini; Decreto da Heroicidade das Virtudes em 23/março/2017. Relator: Mons. Gutierrez; Postulador: Frei Flório Tessari, ofmcap; Vice-postulador: Frei Apolônio Troesi, ofmcap.

Bibliografia sobre Frei Daniel:

Frei Apolônio TROESI. Aquele 30 de agosto de 1898 nos deu de presente Frei Daniel de Samarate. Belém do Pará: Vice-postulação de frei Daniel de Samarate, 1997, 133p.

José Messiano Trindade RAMOS. Entre dois tempos. Belém do Pará: 2002, 75 p.

Para comunicar graças alcançadas pelo Servo de Deus:

Postulação de Frei Daniel - Frei Apolônio Troesi

Capuchinhos – Tv. Castelo Branco, 1541

São Braz – CxP. 12.000

66090-970 Belém do Pará  PA

Tel.: (91) 3073-1512 / 3073-1500

freidaniele@yahoo.com.br (e-mail para Frei Apolônio Troesi, ofmcap; residência: Macapá, AP; tel.: (96) 3223-0079 / Fax: (96) 3225-1674 )

 

 



[1] Não deixe de ler as outras biografias da missão capuchinha do norte do Brasil: o Massacre de Alto Alegre (B.67) e Frei João Pedro de Sexto (C.42): são causas de contemporâneos e colegas de missão. Ainda da mesma província, as mais recente: Frei Alberto Beretta (B.92).

[2] Como lembra Frei Apolônio Troesi, a objetividade do fato não é mais possível verificar, mas permanece a interpretação dada pelos hansenianos, atestando a sua fama de santidade: Frei Daniel vinha visita-los e conforta-los nas suas provações. Cf.: Frei Apolônio TROESI. Aquele 30 de agosto de 1898 nos deu de presente Frei Daniel de Samarate, p. 80-81.

Inserida por: Administrador fonte:  aqdministrador


 
 
 
Elaboramos esse site
com o objetivo de divulgar nossos santos.
 
 

Hospedagem e
Desenvolvimento