Beata Bárbara Maix

Chegou ao Brasil com suas companheiras para servir aos mais pobres e assim se imolou, fazendo-se tudo para todos e deixando o mais belo exemplo de perdão, como Cristo na cruz!...


Cadastre-se e receba nosso informativo:
E-mail: Cadastrar | Remover
Canais
Principal
COMECE AQUI !
Patrocinadores
Santos
ELENCO GERAL
Beato Inácio e Com.
São Roque e Com.
São José de Anchieta
Santa Paulina
Santo Antônio Galvão
Santos Mártires RN
Beato Eustáquio
Beato Mariano
Beata Albertina
Beatos Manuel e Adílio
Beata Lindalva
Beata Bárbara Maix
Santa Dulce dos Pobres
Beata Nhá Chica
Beata Assunta Marchetti
Beato Pe. Victor
Beato João Schiavo
Beato Donizetti
Beata Benigna Cardoso da Silva
Beata Isabel Cristina
Ven. Teodora Voiron
Ven. Antonieta Farani
Ven. Rodolfo Komorek
Ven. Attilio Giordani
Ven. Ir. Serafina
Ven. Me. Ma. Teresa
Ven. Dom Viçoso
Ven. Marcello Candia
Ven. Pelágio Sauter
Ven. José Marchetti
Ven. Daniel de Samarate
Ven. Frei Damião
Ven. Nelsinho Santana
Ven. Frei Salvador Pinzetta
Ven. Maria dos Anjos
Ven. Maria do Carmo SS.Trind.
Ven. Roberto Giovanni
Ven. Albino Cunha e Silva
Ven. Odete Vidal Cardoso
Ven. Irmã Benigna
Ven. Frei João Pedro de Sexto
Ven. Vítor Coelho
Ven. Frans de Castro
Ven. Aloísio Boing
Outras Biografias
Temas
Papa Bento XVI
Santos do Brasil
Processos de Canonização
Beatificação e Canonização
Comunhão dos Santos
 
E-mail:
Senha:
 
» Santos do Brasil » Frans de Castro
 

- Ven. Frans de Castro Holzwarth


BIOGRAFIA EXTRAÍDA DE:  https://www.postulazionecausesanti.it/pb/franz-de-castro-holzwarth-2/


Biografia do Venerável Franz de Castro Holzwarth
(1942-1981)

Em 1942, no dia 18 de maio, na cidade de Barra do Piraí, Estado do Rio de Janeiro, nascia Franz de Castro Holzwarth. Filho de Franz Holzwarth e Dinorah de Castro Holzwarth. O Servo de Deus viveu uma infância normal como tantos garotos de sua época. Franz era um menino de compleição física pequena, muito magro, mas com traços de uma grande inteligência. Aos 14 anos passou a trabalhar no Cartório do 1º Ofício, passando depois a ser funcionário do Banco do Comércio e Indústria de Minas Gerais.
Após terminar seus estudos em nível médio, mudou-se para a casa de seus tios Quinzinho e Lygia em Jacareí (SP), onde pretendia prestar vestibular para o curso de Direito. Com determinação e empenho, iniciou seus estudos em 1963 na Faculdade de Direito do Vale do Paraíba, em São José dos Campos (SP).
Em 1965 Franz foi trabalhar como Assistente de Administração do Juízo de Direito de Jacareí. Em 1967, escrevia para um amigo sacerdote: “O que importa para mim na vida é Cristo, e levá-lo aos outros como sacerdote. Há, em mim, um desejo de doação total. Espero em Deus que se faça sua vontade. Estou disposto para o que Ele me chamar…”
No dia 14 de julho de 1968 começou a trabalhar, após receber a carteira de Advogado da Ordem dos Advogados do Brasil. O seu sucesso profissional começou imediatamente e foi de uma ascendência vertiginosa, conforme as palavras do Dr. Silvio Marques Neto, Juiz de Direito, que trabalhou com ele na Comarca de São José dos Campos: “Todos os juízes eram unânimes em elogiar o trabalho feito por ele, preciso, conciso, bem fundamentado, bem redigido, corajoso”.
Franz participou de uma ordenação diaconal no Convento Sagrado Coração de Jesus, dos padres Dehonianos, em Taubaté (SP). Ele sentiu um chamado palpitar no mais íntimo do peito e, provavelmente, como parte da missão recentemente assumida, vai a um presídio para falar de Deus a dezoito presos, na verdade um amontoado de gente em condições precárias, muitos dos quais doentes e em fim de vida. Os presos estavam em preparação para a Crisma e, apesar da náusea e do tremer das pernas, decidiu que falaria àqueles homens na maneira mais simples possível, não existindo para ele a presença das grades, mas falaria de coração para coração. Procuraria tocar no fundo de cada um, com a presença de Cristo permeando aquele que seria o primeiro de tantos encontros. Ali ele encontrou sua verdadeira vocação: trabalhar com os presos.
Em 1973, Franz ingressa na APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) de São José dos Campos, trabalhando ao lado do seu presidente-fundador, o amigo advogado Mário Ottoboni. Inúmeras viagens, retiros, visitas, orações, vigílias e encontros passaram a fortalecer essa amizade e esse convívio junto aos irmãos presos, onde o que valia era a presença cada vez mais viva do Cristo na pessoa do ser humano encarcerado. Em diversos momentos nos presídios que visitava, Franz era visto no fundo da sala onde aconteciam os encontros, ora rezando uma Ave-Maria, ora ouvindo um preso, ora dando um conselho a outro. Era o último a dormir, dando atenção a todos no corredor das celas, no entanto, pela madrugada, acordava os colegas para mais um dia de jornada, com a Bíblia debaixo do braço, o terço na mão e cantando músicas do padre Zezinho, despertando a todos com muita animação e alegria.
O Servo de Deus, ainda como advogado, afirma o Juiz Silvio Marques Neto, então Juiz de Direito da Comarca de São José dos Campos, “era um profissional bem sucedido que, às vezes, andava de ônibus porque dera seus últimos trocados a um preso para ir de táxi fazer fisioterapia ou visitar um parente doente. Esse era o seu jeito de amar e viver entre seus irmãos, a quem há muito decidira dar a própria vida, talvez sem saber que isso custaria e furtaria sim, num futuro muito próximo a sua presença entre os seus”.
No dia 14 de fevereiro de 1981, sábado, por volta das 13 horas, Mário Ottoboni, recebe um telefonema do então delegado de polícia, João Crysóstomo de Oliveira, solicitando que seguisse junto com Franz de Castro para o presídio de Jacareí. Uma rebelião havia estourado e os dois foram chamados para intermediar as negociações.
Enquanto o Servo de Deus esperava por Mário Ottoboni no presídio de São José, tinha percebido que algo não andava bem, que estava acontecendo alguma coisa. O Franz disse que iria até Jacareí numa missão muito importante e pediu que rezasse por eles, pois não sabia se voltariam com vida.
Nas informações citadas pelo delegado, três pessoas estavam em poder dos presos rebelados, sendo um carcereiro, um escrivão e um soldado da Polícia Militar. Ele solicitava que Mário Ottoboni e Franz de Castro fossem os mediadores das negociações entre a polícia e os presos amotinados.
Quando os dois chegaram a Jacareí, o Juiz de Direito Corregedor dos Presídios, Orlando Pistorezzi, iniciou as negociações via telefone com o líder da rebelião, o preso Nilo. Este solicitou que as negociações fossem feitas pelo Mário Ottoboni e Franz de Castro, e que as vidas dos negociadores fossem respeitadas. Franz de Castro, que gozava de elevado prestígio entre a comunidade prisional de Jacareí, falou com diversos revoltosos, antes de interromper a ligação.
Ficou então combinado que sairiam dois carros: o primeiro com parte dos presos rebelados, dois reféns e o mediador Mário Ottoboni. O segundo carro sairia com o restante dos presos, um refém e o mediador Franz de Castro. O primeiro grupo de pessoas saiu com Mário Ottoboni no primeiro automóvel e foi libertado um quilômetro depois sem ser molestado.
No momento do segundo carro ser encostado na frente da delegacia para dar continuidade ao acordo, a tensão entre os presos e a polícia começou a aumentar. O carro não foi estacionado no local combinado, e agora nenhuma autoridade envolvida se dispunha a cumprir o compromisso assumido.
Nesse momento, a Polícia Militar passou a exigir a soltura do PM – refém, mediante a libertação do carro e, com isso, rompendo o primeiro acordo. Mário Ottoboni já tinha voltado ao local da rebelião e se propôs a repetir a operação que tinha feito com o primeiro grupo de presos com sucesso. Mas foi desaconselhado por algumas autoridades que achavam que poderia causar desconfiança dos presos.
O clima ficava cada vez mais tenso. Novas negociações foram retomadas entre Ottoboni, Franz e o Juiz Orlando com os presos rebelados.
Com o consentimento do Juiz, Franz passou a ser o mediador – refém. O Juiz assegurava aos presos e aos mediadores que entregaria o carro com a liberação do PM – refém, reforçando que nada aconteceria com os presos e Franz de Castro. Então Franz solicitou a Ottoboni que levasse o carro no local combinado. Ottoboni pediu aos presos que deixassem Franz o mais perto possível, e um dos rebelados respondeu: “Pode confiar em nós, Sr. Mário”.
Encerrado esse rápido diálogo, Ottoboni saiu apressadamente do local com o PM – refém, em troca do refém Franz de Castro. Quando os dois alcançaram a esquina, saindo da linha de fogo da polícia, o primeiro tiro foi disparado e logo depois uma chuva de projéteis de chumbo rasgou o carro, matou os cinco presos e também Franz que se encontrava no meio deles, com mais de trinta perfurações sobre o corpo.
Morria um homem e nascia um mártir, um exemplo de vida, de solidariedade, de amor e presença cristã. Franz cumpriu sua última missão como homem de paz e justiça. Ele foi sepultado na jazigo de família no cemitério de Barra do Piraí. Em 2010 os seus restos mortais foram transladados para a Igreja Matriz de São José dos Campos.


-----------------------------------------------------


Do site da Congregação das Causas dos Santos: http://www.causesanti.va/it/venerabili/franz-de-castro-holzwarth.html

Oferta da Vida:

Esta é a primeira Causa super oblatione vitae que foi submetida à Sessão Ordinária de Cardeais e Bispos. Com base nos critérios indicados na Carta Apostólica Maiorem hac dilectionem, a oferta da vida deve obedecer aos seguintes critérios:

     1) a oferta gratuita e voluntária da vida pelo Servo de Deus e a aceitação heróica propter caritatem de uma morte certa e breve;

     2) a ligação entre a oferenda e a morte prematura;

     3) o exercício, pelo menos em grau ordinário, das virtudes cristãs antes do oferecimento da vida e depois até a morte;

     4) a fama de santidade e sinais, pelo menos depois da morte.

Em relação à oferta gratuita e voluntária da vida e à aceitação heróica propter caritatem da morte, Franz morreu porque se ofereceu como refém no lugar do policial mantido prisioneiro pelos presos revoltados. Além disso, é claro que a oferta de vida foi "gratuita e voluntária". Na verdade, ele não pôde ir para o presídio de Jacareí, até porque não estava bem de saúde. Uma vez no local, não foi obrigado a se oferecer como refém no lugar do policial. O motivo que o levou a oferecer a vida foi a caridade cristã. Ele se ofereceu para salvar o policial e quebrar o impasse que poderia aumentar a qualquer momento. Ele estava ciente da grande probabilidade de morte que essa escolha acarretava. Além disso, pouco tempo se passou entre sua decisão e sua morte inevitável.

A ligação entre a oferta de vida e a morte prematura pode ser vista pelo contexto de impasse entre as duas posições que absolutamente não pretenderam desistir de suas razões, bem como pelas circunstâncias da aparição da mídia no local.

No que diz respeito ao exercício, pelo menos em grau ordinário, das virtudes cristãs antes do oferecimento de sua vida e, depois, até sua morte, parece que Franz também as exerceu acima da consideração ordinária, dedicando seu tempo com convicção e propter caritatem suas capacidades em favor dos presos.

Por fim, sua fama, na morte e após a morte, configura-se claramente como fama de doação da vida, como ato heróico motivado pela caridade cristã.

Processo da Causa

A Causa teve início com a celebração do inquérito diocesano super martyrio ocorrido na Cúria Eclesiástica de São José dos Campos (Brasil), de 2009 a 2010.

Validade jurídica do inquérito diocesano: 18 de maio de 2012.

A Positio super martyrio foi submetida ao Congresso Peculiar de Consultores Teológicos em 9 de fevereiro de 2017, obtendo resultado parcialmente positivo. A maior dificuldade estava em demonstrar o odium fidei ex parte persecutoris.

Após a promulgação da Carta Apostólica Maiorem hac dilectionem, em 15 de fevereiro de 2018, o Dicastério aceitou o pedido da Postulação para proceder à mudança do dubium de super martyrio para super oblatione vitae.

O Congresso Peculiar de Consultores Teológicos Super oblatione vitae foi realizado em 9 de março de 2021, com resultado afirmativo por unanimidade.

A Sessão Ordinária de Cardeais e Bispos ocorreu em 11 de outubro de 2022, com o mesmo resultado afirmativo.

Decreto da Oferta da Vida dado pelo Papa Francisco em 17.12.2022


---------------------------------------------------


Biografias:

Ottoboni, M., Franz de Castro Holzwarth. Mártir da Pastoral Penitenciária, Paulinas, São Paulo 2010.
Ottoboni, M., O Mártir do Cárcere, Paulinas, São Paulo 1984.

Autor da Causa: Diocese de São José dos Campos


Inserida por: Administrador fonte:  administrador


 
 
 
Elaboramos esse site
com o objetivo de divulgar nossos santos.
 
 

Hospedagem e
Desenvolvimento